CFP®
Professional
Magazine

ROlE PARA LER
WEALTH PLANNING
TEMPO DE LEITURA
5 MIN.

A importância da filantropia nas famílias brasileiras

Marcelli Sanches, é Head de Wealth Planning do Itaú Private.

Ajudar sem esperar nada em troca. Famílias empreendedoras têm cumprido um papel fundamental na responsabilidade social, adotando posturas e comportamentos que impactam, de alguma forma, a sociedade. Enxergam o seu papel na sociedade, além de assegurar o seu compromisso mais efetivo com o enfrentamento destes desafios. Às vezes, um ato visível por enxergarem ótima reputação e, às vezes, invisível.

No Brasil, o interesse e o empenho por ações e projetos sociais vêm crescendo. Apoios à cultura, educação, saúde e ciência são algumas frentes com o propósito de desenvolvimento econômico e social. Membros das famílias que não se envolvem diretamente nos negócios conseguem, por meio da filantropia, desenvolver um papel importante de educação e envolvimento dos demais membros em ações de impacto social.

A estruturação do legado de investimento social surge, muitas vezes, após um trabalho de governança familiar, em que cada membro faz uma reflexão sobre o legado que gostaria de deixar. Para isto, é importante entender o propósito da família. O que motiva? A identificação da causa de forma conjunta ajuda a chegar ao propósito. Alinhar expectativa de retorno diferente do negócio, sustentabilidade financeira, papéis, atribuições e entrega faz parte desta governança. Alinhar valores e propósitos comuns e formalizar, muitas vezes, em protocolos familiares ou acordos ajuda na perpetuidade deste legado.

Podemos dizer que, com a chegada das novas gerações, a cultura de filantropia como doação pura mudou.

Através da filantropia, é possível manter, cada vez mais, as famílias unidas. E esses encontros permitem que seus membros falem sobre outros assuntos que não somente o negócio da empresa familiar. É uma forma de transmitir os valores da família para as próximas gerações. Ter em mente qual o valor da família é importante, principalmente pela maneira que cada uma das gerações irá viver, pois elas diferem uma da outra. Como respeitar e manter os valores da família? Se esses valores são bem estabelecidos, os impactos de longo prazo podem desencadear, inclusive, inspirações para a vida. O legado está longe das questões apenas financeiras, como posse, valores e bens. Está em proporcionar um impacto duradouro na sociedade, unindo esforços e virtudes.

Mas, o que é filantropia?

Podemos dizer que filantropia é um ato que gera algum impacto? Eu diria que filantropia significa atos conhecidos como amor, empatia e generosidade com o outro. Tempo e recurso despendidos em projetos que geram algum impacto social. Levar a discussão aos conselhos de administração das empresas familiares para tratar como filantropia estratégica, direcionar parte dos recursos a projetos sociais ou atuar diretamente neles, além de exigir investimentos que tenham algum impacto social são algumas formas de atuação com conceitos diferentes. Chamamos de negócios de impacto os empreendimentos que geram impacto social ao mesmo tempo que geram resultado financeiro positivo e de forma sustentável, buscando conciliar resultado econômico com a possibilidade de gerar impacto social mais quantificável.

Podemos dizer que, com a chegada das novas gerações, a cultura de filantropia como doação pura mudou. A mudança nas regras da filantropia com a atuação e a colaboração ativa pela nova geração já é uma prática. Os Millennials estão mudando a forma de se relacionar como dinheiro, buscando conciliar resultado econômico com a possibilidade de gerar algum impacto social. As novas gerações estão engajadas nesta mudança, onde herdeiros querem, de alguma forma, fazer algum investimento de impacto social.

E falando em investimento social familiar como forma de assegurar a sustentabilidade dos investimentos sociais, surgem os fundos patrimoniais, conhecidos como “endowments”. Em 2019, os fundos patrimoniais no Brasil passaram a ser regulados pela Lei 13.800/2019. Eles têm como objetivo restringir o uso do principal das doações recebidas, utilizando apenas os rendimentos para manutenção dos projetos, ou seja, em benefício da instituição ou causa apoiada.

Definições como política de investimentos, resgate e uso são importantes de serem formalizadas. O patrimônio do fundo é segregado do patrimônio dos doadores e das instituições apoiadas. Relação regulada por instrumento de parceria e termo de execução do projeto. É um avanço legal, uma vez que trouxe maior segurança jurídica para os doadores, principalmente em relação à preservação do patrimônio e ao fomento das finalidades e destinação das doações.

CFP®
Professional
Magazine